Cloud Computing

A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também conhecido no Brasil como Computação nas Nuvens, ou Computação em Nuvem, Cloud Computing se refere, essencialmente à idéia de utilizarmos, em qualquer lugar e independente de plataforma, as mais variadas aplicações por meio da internet com a mesma facilidade de tê-las em nossos próprios computadores.

Entendendo  Cloud Computing…

Estamos habituados a utilizar aplicações instaladas em nossos próprios computadores, assim como armazenar arquivos e dados dos mais variados tipos neles. No ambiente corporativo, este cenário, é um pouco diferente, já que nele é mais fácil encontrar aplicações disponíveis em servidores que podem ser acessadas por qualquer terminal autorizado por meio de uma rede.

A principal vantagem desse modelo, está no fato de ser possível, pelo menos na maioria das vezes, utilizar as aplicações, mesmo sem acesso à internet ou rede. Em outras palavras, é possível utilizar esses recursos de maneira off-line. Entretanto, todos os dados gerados estarão restritos a esse computador, exceto quando compartilhados em rede, coisa que não é muito comum no ambiente doméstico. Mesmo no ambiente corporativo, isso pode gerar algumas limitações, como a necessidade de se ter uma licença de um determinado software, para cada computador, por exemplo.

A evolução constante da tecnologia computacional e das telecomunicações está fazendo com que o acesso a internet, se torne cada vez mais amplo e cada vez mais rápido. Em países desenvolvidos como Japão, Alemanha e Estados Unidos, é possível ter acesso rápido à internet pagando-se muito pouco. Esse cenário cria a situação perfeita para a popularização da Cloud Computing, embora esse conceito esteja se tornando conhecido no mundo todo, inclusive no Brasil.

Com a Cloud Computing, muitos aplicativos, assim como arquivos e outros dados relacionados, não precisam mais estar instalados ou armazenados no computador do usuário ou em um servidor próximo. Esse conteúdo passa a dicar disponível nas nuvens, isto é, na internet. Ao fornecedor da aplicação cabe todas as tarefas de desenvolvimento, armazenamento, manutenção, atualização, backup, etc. O usuário não precisa se preocupar com nada disso, apenas acessar e utilizar.

Um exemplo prático disso é o Google Docs, serviço onde os usuários permitem editar textos, fazer planilhas, elaborar apresentações de slides, armazenar arquivos, entre outros, tudo pela internet, sem a necessidade de ter programas como Microsoft Office ou OpenOffice instalados em sua máquina.

O que o usuário precisa fazer, é apenas abrir o navegador de internet e acessar o endereço do Google Docs para começar a trabalhar, não importando qual o sistema operacional ou o computador utilizado para esse fim. Neste caso, o único cuidado que o usuário deve ter é o de utilizar um navegador de internet compatível, que é o caso da maioria dos browsers da atualidade.

fonte: www.infowester.com