Porque Mapear Processos?

Muitos executivos não entendem a importância de se mapear processos da sua empresa, para isto é preciso entender duas coisas:

1º Mapeia-se o operacional, aquilo que realmente acontece no processo.

2º Mapas e modelos são visões simplificadas do mundo real, por isso não é porque está desenhado que está solucionado.

Ao mapear os processos de uma empresa, é preciso delimitar o escopo e definir que deseja obter com o mapeamento: pode ser um entendimento de como o operacional está se comportando, ou até a implementação de uma gestão por  processos.

Inicialmente, os processos são mapeados da forma como ocorrem, dessa forma o executivo conhece seu negócio está operando. Para muitos executivos parece incoerente até que eles percebam que nem sempre o seu negócio opera como eles delimitaram.

Pelos mais variados motivos, como na brincadeira do telefone sem fio, o que o estratégico determina nem sempre é operacionalizado. Em geral, isso ocorre quando a perda de domínio tecnológico, ou seja, perde-se a técnica do negócio quando ela estava atrelada a uma pessoa e não a um papel. Assim, quando a pessoa deixa a empresa, perde-se o domínio tecnológico e quem fica, até por desconhecê-lo, recria algo que supri parcialmente a necessidade da empresa.

Quando é realizado o mapeamento de processos, é possível identificar onde ocorrem os gaps(falhas, brechas, espaços vazio) para ajustar o operacional ao estratégico, preservar o domínio tecnológico por meio de definições de papéis e de procedimentos para eles. Dess forma, fica muito mais fácil instituir a melhoria contínua, que nada mais é do que revisões dos processos e ajustes necessários.

O mapeamento de processos aproxima o estratégico do operacional, com isso a empresa ganha agilidade, inclusive para reposicionamento no mercado ou mudanças estratégicas.